Quem sou eu

Minha foto
Pedagoga, casada, 46 anos. Dizem que tenho dom de escritora, poetisa...mas tenho mesmo é paixão pela vida! Defendo aquilo que acredito ainda que para muitos, possa parecer loucura ou utopia. Abomino qualquer forma de preconceito, tenho defeitos como qualquer ser humano e qualidades inigualáveis. Sou romântica, sonhadora, corajosa e por vezes impulsiva! Tenho gana de viver e disposição para aprender. E em meio a tudo que já vivi, tiro conclusões positivas e esclarecedoras para escrever a minha história. Acredito sinceramente que quando queremos muito alguma coisa, o universo conspira a nosso favor! "Seja qual for o seu sonho - comece. Ousadia tem genialidade, poder e magia." (Goethe)

domingo, 7 de agosto de 2011

OS 36 ANOS DA REVISTA "PLAYBOY" NO BRASIL




Um dos assuntos mais discutidos nas redes sociais, na semana passada, foi a frase que Sandy teria dito em entrevista à revista Playboy deste mês. Para quem não está por dentro do assunto, leia a revista...rs
O fato é que mais uma vez a Sandy “chocou” por se mostrar humana...digo isso porque a imagem imaculada desta cantora que começou sua carreira ainda criança, a impede de ser vista como uma pessoa normal que arrota, solta pum, enfim que respira. Acharia interessante vê-la falar mais “besteiras”, quem sabe assim, ela conseguiria se livrar deste estereótipo infantil eterno.
Foi por conta deste episódio que em nada mudou a minha vida, diga-se de passagem, que resolvi criar um post a respeito da REVISTA PLAYBOY.


A REVISTA


Hugh Hefner

Playboy é uma revista de entretenimento erótico direcionada para o público masculino. Foi fundada em 1953 por Hugh Hefner. 


Hugh Hefner em 1953, segurando a primeira revista "Playboy"


A primeira edição norte-americana teve na capa a atriz Marilyn Monroe, sendo levada curiosamente às bancas sem número na capa da edição, pois seu criador não tinha certeza de sua continuação. Na época de seu lançamento, a revista destacou-se como pioneira na exibição de fotografias de mulheres nuas. 

Em agosto de 1975 chega as bancas a 1ª edição da Playboy no Brasil, porém devido a Ditadura Militar que julgava o nome Playboy erótico demais, a revista teve que mudar o nome e foi batizada como A Revista do Homem. Grandes nomes de peso participaram da publicação: Jorge Amado, Ziraldo, Pelé, Francis Ford Copolla, Franco Montoro, Paulino da Viola entre outros. A capa foi com a Lívia Mundi. 

1975

Apenas em 1978 a revista pode estampar seu verdadeiro nome nas capas, tendo com destaque Debra Jo Fondren.

1978


No aniversário de 36 anos da Playboy (Brasileira) a apresentadora Adriane Galisteu será a estrela da capa da revista 16 anos após sua primeira aparição, em agosto de 1995 (aniversário de 20 anos). Com 95 páginas pagas, o número de agosto registrou o melhor desempenho publicitário do título em 2011.


A edição de aniversário, que chega às bancas em 9 de agosto com duas opções de capa, terá tiragem de 500 mil exemplares, número bem mais modesto do que a do primeiro ensaio. A referida edição vendeu 961.527 exemplares, e é a terceira no ranking das mais vendidas de Playboy, atrás das edições com Tiazinha (março/1999, que vendeu 1,223 milhões) e Feiticeira (dezembro/1999, com 1,247 milhões).

Ranking de vendas no Mundo:

Segundo uma reportagem da edição 25 de Março de 2004 da revista Mundo Estranho, a edição da Playboy mais vendida do mundo foi a de novembro de 1972, com a modelo Pamela Rawlings na capa. Mesmo sem dados oficiais, a editora que detém os direitos da Playboy nos Estados Unidos estima que essa edição tenha superado a marca de 7 100 000 exemplares vendidos. 

Pamela Rawlings

Depois que as vendas começaram a ser monitoradas, os números ficaram bem mais modestos. Nos últimos quatorze anos, a edição campeã de vendas estampava na capa a modelo e ex-lutadora de Wrestling Joanie Laurer, mais conhecida como Chyna. 
1º - Novembro de 2000 - Chyna - 1 389 200 exemplares.

2º - Dezembro de 1995 - Farrah Fawcett - 1 351 100 exemplares.


3º - Abril de 1999 - Sable - 1 258 900 exemplares.


4º - Dezembro de 1999 - Feiticeira (Joana Prado) - 1 247 000 exemplares.


5º - Março de 1999 - Tiazinha (Suzana Alves) - 1 223 000 exemplares.


As 10 edições mais vendidas da Playboy no Brasil:

1ª Feiticeira – Dezembro de 1999 – 1.247.000 exemplares
2ª Tiazinha – Março de 1999 – 1.223.000
3ª Adriane Galisteu – Agosto de 1995 – 961.527
4ª Scheila Carvalho – Fevereiro de 1998 – 845.168
5º Scheila Carvalho e Sheila Mello – Setembro de 1999 – 838.206
6º Marisa Orth – Agosto de 1997 – 835.806
7ª Tiazinha (sem máscara) – Março de 2000 – 828.627 
8º Feiticeira (sem véu) – Agosto de 2000 – 804.866
9º Carla Perez – Outubro de 1996 – 778.026
10º Sheila Mello – Novembro de 1998- 725.924



A revista Playboy divulgou a lista das revistas mais vendidas desde 2005. Grazi Massafera, foi a mulher que mais vendeu revistas, seguida por Flávia Alessandra e Andressa Soares. 




Já Tessália, do “BBB10”, foi a sister que menos vendeu “Playboys” até hoje. 

01º Grazi Massafera – 564.294 mil exemplares
02º Flávia Alessandra Ago/06 – 415.007
03º Andressa Soares – 364.900
04° Íris Stefanelli – 349.110
05° Ana Paula Oliveira – 334.200
06º Fernanda Paes Leme - 313.940
07º Fani Pacheco - 301.790
08° Mariana Felício – 294.321
09° Karina Bacchi - 278.360
10° Carol Honório – 256.850
11º Mônica Veloso – 254.500
12º Flávia Alessandra Dez/09- 250.920
13º Juliana Knust – 243.740
14º Natália Casassola – 242.290
15º Carol Castro – 238.115
16º Juliana Góes - 234.020
17º Rita Guedes – 233.590
18º Gyselle Soares – 217.742
19º Juliana Salimeni – 204.454
20º Aviões da Varig - 199.000
21º Juliana Alves – 192.973
22º Roberta Brasil – 189.810




CURIOSIDADES: O coelhinho da  Playboy foi criado, originalmente, para representar um clube masculino (night club) nos anos 60, de propriedade de Hugh Hefner onde também era possível encontrar as famosas coelhinhas. 


A marca não foi criada por uma empresa especializada em design, mas sim por um conhecido de Hefner que tinha algum talento para desenho, tendo a idéia genial de criar o famoso coelhinho. O significado era que o coelho é um animal viril, macho e que se reproduzia com facilidade. O preto traduz uma idéia de sexualidade e a gravata borboleta representando a pessoa bem vestida e rica.
Ele está escondido em quase toda capa. Você pode procurar bastante e não ver nada, mas reza a lenda que há uma tradição de esconder o mascote da Playboy nas capas da revista. Isso teria se iniciado em 1960 como uma maneira interessante de desafiar os leitores. Em meados dos anos 70, a redação da Playboy chegou a ser inundada com centenas e centenas de cartas de leitores rabugentos que procuravam, mas não encontravam nada. Os editores começaram, a partir daí, a colocar dicas nas páginas internas da revista. 

Todo mês, a revista Playboy apresenta a seus leitores uma estrela principal: a capa da revista, a playmate do mês, bem como uma entrevista e reportagens sobre assuntos diversos do universo masculino. 

CENSURA

Em várias partes da Ásia, como a China, Coreia do Sul, Índia, Malásia, Tailândia, Taiwan, Cingapura e Brunei, a venda e distribuição da revista Playboy é proibida.
Em adição a essa lista de países, a revista também é banida em quase todos os países muçulmanos da Ásia e da África.
No entanto, a revista é vendida em Hong Kong. O Japão possui uma edição própria da revista, mas é proibido que as modelos mostrem sua região púbica nas fotos.
Segundo o Código Penal Brasileiro, a fabricação de revistas com material obsceno com finalidades comerciais é proibida, de acordo com o artigo 234. No entanto, tal dispositivo legal não é aplicado na prática.
Uma edição indonésia da revista foi lançada em março de 2006, mas a controvérsia foi causada antes mesmo da publicação da primeira edição. A editora garante que o conteúdo da edição indonésia será diferente do conteúdo da edição norte-americana, mas mesmo assim o governo está tentando banir a revista do país usando leis antipornográficas, mas está sendo uma tarefa difícil, já que ao governo daquele país é proibido censurar qualquer forma de mídia.
Em 1986, a rede norte-americana de lojas de conveniência 7-Eleven baniu a revista de suas lojas. Em 2003, a Playboy voltou a ser comercializada nas lojas de tal rede.
Em várias comunidades pequenas dos Estados Unidos a Playboy não é vendida nas lojas. Em outras comunidades, é vendida apenas em lojas de bebidas. Em comunidades onde a venda de bebidas alcoólicas é proibida, a venda de Playboy também costuma ser.
A Playboy não é vendida no estado de Queensland, Austrália. Aparentemente, toda a versão australiana da revista é separada por estados.
A edição em braille da Playboy americana (que contém só reportagens) também quase foi proibida de circular.
A Playboy portuguesa agora não é mais vendida porque a capa de uma das edições tinha a imagem de Jesus Cristo.











Nenhum comentário:

Postar um comentário